Poesia Dar a luz.



Eu escrevi a poesia “Dar a Luz” ano passado e foi publicada como: Sarau Brasil 2017, Concurso Nacional Novos Poetas – Antologia Poética.

As linhas ficaram todas juntas na publicação do livro, por isso vou publicar aqui no blog da forma original que escrevi.

Dar a luz. 

A luz que damos, é na mesma proporção a luz que vamos receber...

Dar a luz ou Receber Luz? A luz que transforma...

Quando o bebe nasce, avisa toda a cidade...
Com seu choro estridente dizendo: mamãe me abrace.

Meus olhos ainda estão fechados mamãe, mas sinto seu cheiro e pela sua voz sou guiado.

Não entendo porque agora estamos separados, mas entre seus seios ficamos conectados.
O som do seu coração me acalma e embala a minha alma.

Mamãe, meus olhos não cansam de te olhar, seu colo quentinho me protege como um ninho, seus braços me deixa calminho. Por favor, não se espante, por um tempo em seus seios eu quero morar, porque ali eu consigo te admirar...
Em seus braços eu fico quentinho, recebo o melhor leitinho, sentindo seu toque de carinho.

Mamãe não se desespere, vamos aproveitar o nosso tempinho para ficar coladinhos... Porque tão em breve seguiremos a nossa jornada de mãos dadas, você guiando meus passos largos, até à hora de soltar para o vôo da águia...

A vida é maravilhosa, quando você está a minha volta...

Não chores mamãe, eu já vou, mas um dia eu volto... Trazendo luz, te dar um abraço demorado e para te dizer obrigado...

É uma poesia que fala da vida, maternidade, onde tudo se repete como um ciclo, uma roda gigante que não para de girar... Onde temos a oportunidade de aprender, amadurecer, compreender, perdoar, acolher... É no olhar humilde, atencioso, reflexivo e de muito amor, que é possível aprender.

Não sei até hoje se dei a luz, ou se recebi a luz, porque a maternidade transforma, é um mergulho na barriga do peixe (bíblia – Jô), tudo faz sentido, tudo que vai também volta, é um enigma da vida, que precisa de um olhar atento para compreender, uma conexão direta com Deus, para decifrar as parábolas da vida...

Precisamos comer muito arroz com feijão (como diz o ditado), para compreender um pai ou uma mãe... Compreender alguma situação do passado, vivida na infância... É ciclo de viver e reviver muitas coisas já vistas no passado, que por vezes se repete ou se altera, conforme os caminhos traçados...


A poesia está disponível no livro que deixarei o link aqui.
O livro está anunciado mercado livre para compra (caso alguém tenha interesse), e a minha poesia foi publicada na página 445.

Mega feliz por mais uma poesia publicada.
Beijos e até a próxima.
Ju

5 comentários:

  1. Oi Ju!!!

    Muito bela poesia de amor, uma luz, verdadeiramente, que recebemos de Deus!

    Parabéns pela publicação, pela sensibilidade.

    Beijo e feliz semana!

    Re e Laura

    ResponderExcluir
  2. Amiga que encanto de poesia... me emocionei imaginando esses momentos que vivi com meu menino...
    Amei!
    Parabéns viu!!
    Daqui a pouco tem um livro cheio de poesias.
    bjs, Cris

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Cris.
      Fico feliz com esse retorno positivo, por tocar os corações, esse é sempre meu desejo...
      Obrigada pelo carinho e visita.
      Bjs
      Ju

      Excluir
  3. Uaiii ja teve outra? Que chique! Eu também amo poesias... a gente fica sensível e nos expressamos em doces palavras, assim como você fez...
    Que alegria mesmo amiga, ter nossas palavras eternizadas em um livro.. preciso fazer isso rs

    A maternidade é toda essa emoção ao redor do filho... e nem me fale na ida... rs

    Lindo Ju... Parabéns querida!

    Tê e Maria ♥

    (Obrigada pelo comentário no meu ultimo post, amei) ♥

    ResponderExcluir