Vamos falar da matéria do UOL: “Chegada do primeiro filho é prova de fogo para o casamento”.

Matéria publicada em 01/11/2013, por Yannik D´Elboux.

Esse texto ficou pendente no final do ano passado (2013) porque iniciei uma "busca e trabalho" de melhoria aqui do blog, então acabei deixando esse texto um pouco de lado.
Comentei que iria fazer um post só para comentar sobre esse assunto, na publicação: http://www.maesemfronteiras.com.br/2013/12/conheca-quais-as-causas-que-mais.html

Então vamos lá.

Para falar de “casamento e filhos” é necessário falar de “amadurecimento e maturidade”.

Vamos “imaginar” que esse título é baseado nessa situação aqui: O casal se conheceu, namoraram por um bom tempinho.
Tempinho esse o suficiente para conhecer um “pouquinho” de cada um, tipo seu hobby, desejos, sonhos.
Enfim, chegaram a um consenso de que viverem juntos seria bom.
Casaram e depois vieram os filhos.

Partindo desse princípio, podemos analisar o seguinte, do “texto e título” da matéria do UOL.

Não é fácil primeiramente a vida a dois, homem e mulher, depois do casamento ou da vida juntos (isso tanto faz se casaram “oficialmente ou não”).
Estou falando da vida a dois. Viver juntos na mesma casa, morar juntos.
Porque cada um vem de uma “casa e família diferente”.
Cada qual com seus costumes, regras e crenças diferentes.

O casal precisa ter essa consciência, que cada um é um, porém agora, para viver bem e em harmonia, é necessário juntos, formar uma nova forma e jeito de viver e conviver bem.
Por exemplo:
- Antes a roupa de cada um estava limpinha e cheirosinha na gaveta, porque a mãe ou a empregada da casa colocava. Agora o casal deverá entrar em um “comum acordo”, de como as roupas passarão por esse processo de: chegar até à máquina de lavar, depois secar e passar, até chegar à gaveta dobradinha e cheirosinha (como era na casa de seus pais).

- Talvez quando ainda era solteiro (a), você chegava em sua casa e tinha uma comidinha fresquinha feita pela mãe. Agora o casal vai chegar juntos, ou praticamente na mesma hora do trabalho, os dois com fome, cansados e o que fazer agora?
Também deve ser conversado e combinado quais as prioridades do casal, como tudo será feito e organizado.
Vamos comer apenas pães, frutas e não vamos fazer comida (por exemplo).
Ou então, um faz a comida e o outro lava a louça, enfim, busquem um melhor acordo entre os dois.
Lembrando que agora é só os dois e não adianta comparar com a casa da mãe.

Agora é hora de amadurecer e criar as suas próprias regras e rotinas dessa nova família que se formou, desse novo lar.
E por ai vai.

O casal precisa amadurecer nessa nova relação a dois, de casal.

Passada essa primeira etapa, se tudo deu certo, vem mais uma etapa, tão difícil quanto a primeira, mas faz parte também do amadurecimento do casal, que é a chegada de um filho (a).
Mais um membro para fazer parte da família.

E novas adaptações e rotinas serão criadas com a chegada do bebê.

Tudo isso que estou dizendo não é para desanimar é para que você perceba que cada um precisa fazer a sua parte e se dedicar ao máximo, ao próximo, a família.

Toda e qualquer mudança de: rotina, de vida, de emprego, de casa, é assim, trabalhoso, difícil, mas necessário.
E se você consegue passar por essa etapa, é um sinal de amadurecimento.

Antes “a mamãe e o papai” faziam tudo, e agora quem deve fazer é vocês, o casal, ou pagar para alguém fazer por vocês.

E mesmo pagando alguém para fazer tudo dentro da sua casa, o dinheiro, as coordenadas, a averiguação do trabalho da empregada, da babá, todo esse check-list deverá ser administrado por alguém, por um dos dois.

Se você está achando tudo isso chato, e não imaginava que seria assim, então “você ainda” está vivendo uma fantasia, um conto de fadas, no mundo da lua.

Não reclame e faça o que for necessário para o bel prazer da família.

Agora, a mamãe e o papai, são vocês.

Isso não é uma brincadeirinha de “casinha”, isso é a vida real.

Gosto muito do filme Shrek, porque ele mostra bem a realidade da vida.
_____ 
No Shrek 3, tem uma cena que a Fiona é “encurralada e encorajada” a receber de presente um “anão babá”, com as inúmeras justificativas de que ela vai precisar de tempo para se cuidar e cuidar da relação “marido e mulher”.
Tem um post que comento essa cena e falo um pouco sobre o que penso, e quem realmente precisa de cuidados nos primeiros dias “após o nascimento do bebê”.
É uma parceria de “amor e cuidado”, que os pais precisam ter com a chegada do bebê.

Já no filme Shrek 4, que tem o título: “Felizes para sempre”, é bem a vida real, a vida como ela é...
Eu gosto desse filme, porque aborda o pai, naquela situação de zona de conforto, prazer, descanso, que com a chegada dos bebês torna cada vez mais difícil aquela vida anterior, antes da chegada dos filhos.

As pessoas, o pai e a mãe, enquanto não perceberem que algumas coisas mudaram, e novas estratégias deverão ser criadas, para ter um “pouquinho” daquela vida anterior antes do bebê, o stress virá e pior, vai “acumular”.
Exatamente como aconteceu com o personagem do Shrek, que é representado pela figura masculina, o pai.
Ele teve um piti, e desejou ter por “um dia”, aquela vida de “tranqüilidade” que ele tinha antes da chegada dos bebês. E para você entender o desenrolar do filme, precisa alugar e assistir, mas o interessante é que no final do filme e no final das contas, ele percebeu que a vida dele mudou, mas que ele era feliz e não sabia. E que talvez ele não conseguisse mais fazer tudo como antes, mas ele precisava se dar a chance de ser feliz naquele novo cenário que era a vida real dele, do Shrek.
_____ 
Gente, a vida com filhos é maravilhosa, só não da para ser a “mesminha”, “exatamente” igual, como era antes.
A não ser que você entregue seu filho (a) na mão de outra pessoa, por exemplo, uma babá, tia ou avó, que cuide do seu filho (a) para você, ser e fazer tudo como antes.

Quando você é solteiro, tem liberdade de ir e vir sem muitos detalhes.
Quando você se casa, tem uma pessoa esperando a sua presença, para conversar e compartilhar os acontecimentos do dia.

O segredo é “cuide da família”.

Você cuida da família quando você: se cuida, cuida do bebê, dos filhos, do marido ou da esposa, cuida da casa e do trabalho.
E cuidar é: amar, tratar com carinho e respeito, manter um diálogo franco e aberto, ser compreensiva (o), dividir as tarefas.

Se você não estiver em um momento bom, não souber como lidar com a situação, procure um terapeuta de casais, uma psicóloga, que além de ajudar a tirar a tensão, irá ajudar e orientar como agir em determinadas situações corriqueiras do dia a dia.
Você poderá desabafar e tirar todas as dúvidas que norteiam a sua mente.

Não adianta brigar, separar ou um querer impor seus costumes e educação como sendo o certo ao outro.
É necessário uma busca do equilíbrio e muito diálogo para um entender o outro, respeitar e ter uma boa convivência.

Espero que tenham gostado.
Desejo a todos os casais muita paciência, dedicação e muitos agradinhos um ao outro, pois não tem nada mais gostoso do que ser lembrado (a) pela pessoa amada.

Beijos,

Mãe Sem Fronteiras.

Um comentário:

  1. SORTEIO

    Olá, amiga!!
    O Ano de 2014 já começou e preparei uma surpresa para vocês!
    Vou sortear aqui no Blog uma colônia Lavandita da nossa parceria Cheirinho de Bebê!!!

    Para participar acesse o link http://toninha-ferreira.blogspot.com.br/2014/01/sorteio-cheirinho-bebe.html

    ResponderExcluir