Oficina Terapêutica – Brincadeiras Afetivas.

Fui convidada pela Monica Pessanha, a mais nova parceira aqui do blog, para participar de uma atividade realizada por ela, chamada Brincadeiras Afetivas.

Eu fiquei super feliz com o convite e não pude recusar, mesmo sendo destinada a pais e mães, com filhos entre a idade de 5 a 8 anos. A oficina terapêutica brincadeiras afetivas, tem como objetivo promover de forma lúdica e criativa, a interação entre mães ou pais e seus filhos.

Ao chegar ao encontro, primeiro fizemos um círculo, nos apresentamos uns aos outros (os adultos se apresentavam e também ao filho (a)) e depois foi iniciada as brincadeiras.
As brincadeiras eram conduzidas e orientadas pela Monica e sua parceira de trabalho Renata.
Cada brincadeira proposta pela Monica, sempre estava acompanhada de uma música, onde nesse período em que a música tocava, nós realizávamos as brincadeiras, cada um com seu filho ou filha.
A música terminava, todos sentavam novamente em círculo e um bate papo rolava, com perguntas feitas aos pais ou as crianças, e todos poderiam interagir, caso quisessem compartilhar suas experiências ou opiniões.

As brincadeiras foram as mais simples possíveis, na qual todos nós adultos já brincamos, e a diversão foi garantida. A primeira brincadeira foi jogar aviãozinho de papel.

Uma brincadeira tão gostosa, que pode ser proveitosa para ambos (pais e filhos) desde a criação do avião, até o início da brincadeira. Você pode ensinar a criança a fazer o avião ou fazer passo a passo e a criança tentar fazer copiando suas dobraduras, e ai depois é só brincar...

Brincamos de: bola, bambolê, pega-pega, cabra cega, simular dançar na chuva com um guarda-chuva aberto...
E assim prosseguiu por 2 horas, essa interação entre pais e filhos, com muitas brincadeiras e risadas.

E para o final das atividades, ficaram as brincadeiras mais amorosas, como pegar e abraçar o filho (a) e encher eles de beijos, ficar com a criança no colo, revendo algumas fotos desde a barriga até os dias atuais, etc.

Algumas crianças ficaram com vergonha dos beijos, principalmente os meninos. (risos)

Os filhos sempre nos surpreendem, porque aqui em casa todos os dias tem a nossa brincadeira chamada sessão de beijos, onde eu encho o Vitor de beijos no rosto, braços e mãos, barriga, depois ele retribui... Mas lá na hora da atividade em grupo, ele falou que estava com vergonha, e nada o convencia, e ai eu não quis forçar, mas no final consegui dar dois beijos na bochecha...rs

Mas o importante, é que foi bastante falado sobre essa prática de abraçar e beijar as crianças, porque é um exercício que as vezes os pais esquecem, devido as rotinas e correrias da vida de hoje em dia, ondem todos saem cedo e chegam somente no final do dia, todos exaustos...

E essa prática de abraçar, beijar, ficar juntinhos revendo fotos, é uma atividade deliciosa, que devemos praticar sempre.
E ai lembrei que fazemos isso geralmente aos finais de semana, de rever fotos. A gente acorda mais tarde, fazemos o Vitinho de sanduíche na nossa cama, onde o pai beija de um lado e eu do outro, e depois de todo esse carinho e muitas risadas, ele mesmo pede para ver as fotos. É uma brincadeira afetiva deliciosa, que o Vitinho adora.

Mas voltando a oficina de atividades, eu percebi como é importante essa interação dos pais com os filhos na prática, e como essa proposta feita pela Monica é interessante, principalmente para os pais que trabalham o dia todo, que quase não brincam ou tem tempo até para um simples abraço no filho (a).

E quando a gente não tem tempo, a criança vai reagindo cada uma a sua maneira, as vezes ficando ansiosa, irritada, nervosa, agressiva ou vai ficando mais fechada, tímida, enfim, cada criança tem uma reação diferente...
E durante os bate-papo, também percebi o quanto a criança tem dúvida sobre algumas questões relacionadas a vida, aos pais, que as vezes querem perguntar e não conseguem, seja pela falta de tempo dos pais, medo, falta de abertura, ou até mesmo pela falta da devida atenção que eles tanto querem.

Por isso, a Monica deu como atividade para casa, as mães e pais, prestarem mais atenção aos filhos, e quando eles chamarem por mais de 3 vezes seguidas (pela mãe ou pai), devemos parar e dizer: - Filho (a) o que foi, pode perguntar.

Mas também não adianta só escutar, temos que ouvir e prestar atenção com os ouvidos e coração, porque por trás de uma pergunta, sempre tem uma intenção e sentimento que não percebemos de imediato. Precisamos entender o que a criança quer dizer com tal pergunta.

Um exemplo que achei fantástico que a Monica deu, foi sobre a pergunta de um menino para a sua mãe (desculpa não recordar os nomes deles agora), onde o garoto pergunta para a sua mãe, sobre a tal viagem que eles pretendem fazer em família, quando vai acontecer...
A mãe respondeu que em breve fariam a viagem, mas que estavam se preparando financeiramente, se programando para fazer a viagem, mas que por enquanto não dava.

E a Monica fez uma observação interessante: As vezes a criança não está interessada na viagem em si, e sim talvez na felicidade de toda a família estar junta, reunida.
Isso foi só um exemplo que a Monica deu, para mostrar que uma pergunta as vezes pode ter outros significados, que a própria pergunta não mostra, e que precisamos perceber a fundo, o que a criança está dizendo e precisando naquele momento. (Claro, que para chegar a essa ou outras conclusões, a Monica precisa analisar a família em si, ou seja, foi só um exemplo).

A criança sente muito carência afetiva, principalmente dos pais que viajam e trabalham muito, e ficam muito tempo fora de casa ou do convívio familiar. Não estou dizendo que esse é o caso do menino que fez a pergunta da viagem a sua mãe, mas mostrar através do exemplo que a Monica citou, como uma pergunta pode ter vários significados por trás dela.

E no final do encontro, fizemos um lanchinho, e a Monica nos presenteou com um caderno charmoso e um CD.

Depois desse encontro, pude perceber como é importante a gente sempre avaliar como está a nossa casa, família, e quando não estiver bem, procurar uma ajuda psicológica familiar, para ajudar os filhos a expressarem suas angustias, fazerem suas perguntas, e também para orientar os pais, sobre o retorno que teve com as crianças, dar um feedback das conversas, para orientar onde podem melhorar no relacionamento entre pais e filhos.

Adorei o encontro, e recomendo o trabalho da Psicoterapeuta Monica Pessanha, a todos os pais e filhos, que estejam passando por alguma dificuldade de relacionamento interno em casa, na escola, com os amiguinhos... As vezes a criança é muito tímida, ou muito agitada, ou até mesmo quando os pais estão passando por um processo de separação, enfim, essas e outras dificuldades podem ser melhor vista e orientada por alguém de fora, no caso uma profissional muito bem qualificada e experiente, como a Monica Pessanha.
Dúvidas ou informações sobre o trabalho da Monica, você encontra logo abaixo.




Mônica Pessanha, Psicoterapeuta infantil e de adolescentes, além de ser MÃE DA MEL. Trabalha a mais de 10 anos atendendo e auxiliando pais e famílias, onde também desenvolve um trabalho e projeto de interação entre Mães e Filhos, que chama-se BRINCADEIRAS AFETIVA.
Você pode encontras outros trabalhos e textos da Monica aqui: https://www.facebook.com/brincadeirasafetivas?fref=ts e http://monicapessanha.tumblr.com/
Contato: monicatpessanha@hotmail.com

17 comentários:

  1. Nossa adorei....
    Que criatividade!
    www.pipocasemaquarela.com

    ResponderExcluir
  2. Muito bom seu texto! Diálogo é tudo. Crianças veem as coisas de forma diferente é sempre bom dar atenção e explicar tudo e qualquer mudança que houver em algum planejamento ou coisas do dia a dia. Eles precisam dessa segurança. Adorei. Bjos

    ResponderExcluir
  3. Ameeeei!!!
    Muito bacana mesmo!
    Beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Que ótimo esse encontro
    Bem diferente
    Bjus
    http://segredosdaluma.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Que legal!
    Muito interessante, adorei!
    Bjs
    http://oxentemainhaa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Que bacana Ju experiência gratificante brincar com afetividade então deve ser melhor ainda, adorei. Bjs

    ResponderExcluir
  7. Nossa, que evento bacana, tem que ter criatividade né!

    Bjs,
    www.soumae.org

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito das ideias criativas.
    É bom mexer com o imaginário dos pequenos!!!
    Parabéns pelo post!
    Bjinhos.
    http://prosaamiga.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. super bacana!
    bjcas
    http://estou-crescendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Nossa, deve ter sido muito gostoso mesmo!
    Aqui temos a prática de muito carinho, beijinhos e abraços... mas ainda acho pouco, pois papai e mamãe trabalham fora o dia todo... temos que aproveitar ao máximo o tempo que temos juntos, e sinto muitas vezes essa ansiedade das crianças nesse nosso tempo junto, provavelmente porque ficamos muito tempo longe... por hora é o que conseguimos fazer, e tentar melhorar a qualidade do tempo juntos não é?
    um grande beijo
    http://mamaeaprendiz.com

    ResponderExcluir
  11. que legal parabéns
    é sempre bom brincar
    e um evento assim deve ter sido mesmo
    maravilhosos
    beijar e abraça é comigo mesmo

    Linda noite beijokas
    http://www.mamaededuas.com/

    ResponderExcluir
  12. ai bom saber viu.
    Quando tiver controle, vou procurar ajuda. Por enquanto esta tranquilo. graças a Deus.

    Beijos
    Geri Ferreira
    www.encantodemeninablog.com

    ResponderExcluir
  13. Amiga amei. A Larah, mesmo pequenina (7 meses), já demonstra ser super carinhosa, não vejo a hora dela ficar maiorzinha para brincarmos muito.
    Beijos
    Adri

    ResponderExcluir
  14. que legal, criatividade ótima...gostei das idéias.
    Teve ter sido muito legal.
    Beijos
    www.beabadabeleza.com.br

    ResponderExcluir
  15. Ai que máximo, tenho tanta vontade de participar de encontros assim ;)

    ResponderExcluir