Livro: Adivinha quanto EU TE AMO.


Essa leitura eu vi pela primeira vez através da indicação de uma mãe e amiga blogueira, a Genis Borges. 
Eu vi a indicação do livro, através do seu Facebook https://www.facebook.com/reciclandocomamamae?hc_location=stream.
Sempre após uma leitura, ela e seu filho JM fazem um desenho que represente a história, e juntos fizeram um coelho bem grandão (veja aqui o coelho no blog http://www.reciclandocomamamae.com/2013/11/adivinha-quanto-eu-te-amo.html).
Foi ai que descobri essa historinha linda, e logo comprei o livro para contar para meu filho.

A primeira vez que li o livro para o meu filho, ele quis sentar no seu berço para foliar o livro, enquanto eu lia para ele.
Depois ele narrava à história conforme os desenhos...




Mas logo de início, que comecei a contar a história, que eram os coelhos “pai e filho”, que estavam juntos, um demonstrando o tamanho do seu amor para o outro, ele não se conformou.
Ele não se conformava que era o pai e não a mãe.
Achei engraçada a observação dele, porém reforcei exatamente esse afeto que deve sempre existir entre "pais e filhos".

Porque o afeto da mãe é nato, os filhos nascem da mãe, são gerados por ela, e após o nascimento os cuidados e a amamentação cria laços de amor ainda mais forte, e o pai nessa história toda?
Pois é, o pai precisa trabalhar essa conquista diária, por isso nós mulheres precisamos incentivar esse amor, carinho e amizade entre o “pai e os filhos”, através da procura pelo pai, elogiando e sempre querendo o bem do marido, querendo ele por perto...
Porque através de nós mulheres e mães, a criança vai vendo e vivendo esse afeto e carinho pelo pai.

E essa história vem demonstrar, com gestos, essa brincadeira de “fazer e de mostrar” com os braços, o tamanho do nosso amor, porém sempre querendo reforçar uma distância ainda maior que os braços... Porque na verdade não conseguimos demonstrar com gestos, pesos e medidas, o nosso amor pelos nossos filhos, porque amor de “pai e mãe” é um amor infinito.

E na história, “o coelho pai e o coelho filho”, ficam através de brincadeiras com os braços, orelhas, pernas e o corpo todo, esticando e tentando demonstrar um para o outro, o tamanho de seu amor. É uma historinha muito linda.

Eu sempre falei para meu filho que o meu amor por ele é assim: grandão, grandão, grandão, que vai até lá no céu...
É grande e vai até lá no céu, por ser um lugar alto e muito distante, de difícil acesso, e é assim que digo como é o tamanho do meu amor para meu filho...(risos)

Voltando a história do livro, depois de explicar para o meu filho que eu amo muito ele, mas o papai também ama, e que nessa história, quem estava brincando com o coelhinho era o papai, porque a mamãe estava fazendo o papá (comida) dele... Foi ai então, que meu filho ficou conformado com a minha explicação e entrou na brincadeira de dizer “o quanto eu te amo”, com os braços.
Mamães e mulheres, nunca deixem de incentivar e reforçar o “amor e carinho” da criança com o pai e vice versa. 

É uma linda história para contar para as crianças, e juntos fazer com os braços o tamanho do nosso amor por eles...

Até a próxima indicação de leitura.

Beijos,

Mãe Sem Fronteiras.

4 comentários:

  1. Ai amiga, que coisa mais linda sua narrativa. Quantas coisas pode ensinar e aprender com Vitinho.
    Adorei o post e MUITO OBRIGADA pela menção novamente. Um prazer estar aqui.
    Bjus, bjus. ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina.
      É verdade, vi o livro a primeira vez com vc...
      Suas dicas são valiosas, viu...obrigada, eu que agradeço seu trabalho feito e dividido com a gente...
      Beijos,
      Ju

      Excluir
  2. Que fofo!!!
    Estimular a leitura é tudo na vida da criança.
    Bju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Toninha, com a leitura a gente e a criança aprende muito...
      Beijos
      Ju

      Excluir