Maternidade: Uma oportunidade de refazer-se!


Maternidade: Uma oportunidade de refazer-se!

Passamos por muitas fases nessa vida, que nos levam as inúmeras oportunidades de aprendizagem, de se refazer, mudar, recomeçar, e a maternidade é uma delas...

A maternidade trás uma oportunidade de a gente se conhecer por inteiro, um mergulho no nosso interior, voltar às raízes, procurar as referências lá no nosso baú de lembranças da vida, e descobrir o que serve e o que não serve mais...

É necessário desejar, muitas das vezes ter coragem para um encontro muito importante, com a nossa criança interior, que está ai no seu baú de lembranças e recordações.
Eu fiz esse caminho reverso, para encontrar e ser a mãe que eu escolhi ser hoje.

Confesso que olhar para o passado, vasculhar o “baú” muitas vezes dói, porque no baú têm todas as lembranças inclusive as tristes! Mas essas lembranças servem apenas para a gente “olhar e perdoar”, para ai SIM conseguir ir em frente diferente, mudar o rumo da história...

Por isso que muitas pessoas evitam esse mergulho no seu próprio interior, essa busca no seu baú de lembranças, porque para se refazer é necessário se despir do que já não serve mais... E para se despir é preciso encarar o passado, perdoar pessoas e depois perdoar a si mesmo, isso é se refazer na minha visão!

E mesmo que a gente não revire nosso baú, o inconsciente sempre vai trazer a mente, às lembranças do passado, do nosso baú...
Outra possibilidade e fato são os filhos terem atitudes que façam a gente lembrar de algo ou situações que precisamos aprender, para ai sim se refazer...

A nossa mente tem uma tendência para “julgar ou culpar” algo ou alguém, por isso é importante à gente encarar esses enfrentamentos da vida, às vezes algo do passado que precisamos perdoar, para somente assim seguir em frente.
Às vezes precisamos deixar o passado, mesmo que tenha sido maravilhoso, para assim seguir em frente e recomeçar, se refazer...

Tudo que a gente resiste, persiste.
E quando a gente não aceita, não perdoa, julga, a vida vai trazer lembretes para compreender, acolher, perdoar e se refazer, mudar a história e os caminhos. Eu acredito nessa dinâmica, porém sem Deus e às vezes uma ajuda externa como uma terapia, a gente não consegue...
  
Na maternidade ficamos totalmente vulneráveis, vêm à tona todos os enfrentamentos da vida... Ao mesmo tempo em que precisamos exercitar a paciência, o auto-controle, sem esquecer da nossa responsabilidade e exemplo como pais...

E nessa jornada, está ai uma oportunidade de se refazer, que é amadurecer, mudar o que não é bom, a fim de entregar nosso melhor, se assim à gente despertar das ilusões do lado de fora (mundo)!

Muitas das minhas escolhas e caminhos eu trago das experiências e vivências da infância até os dias de hoje, e as “dores e dificuldades” servem apenas de exemplo para evitar esses caminhos, e procurar novas alternativas. Porém, para mudar o rumo é necessário esse encontro com nosso interior, não fugir desses enfrentamentos... O inconsciente trás a consciência (a luz) continuamente, o que precisamos aprender para assim mudar.

Nunca use as dificuldades para se vitimizar, julgar ou achar culpados, porque isso só empaca a vida e os caminhos...

Somente com humildade, perdão, respeito pelas pessoas, consciência em nossas escolhas (despertar), conseguimos seguir nossa jornada com mais leveza.

Enquanto a gente não aprender que tudo está ligado, que nenhuma ação ou reação fica sem conseqüência, e que precisamos de Deus para tudo, parece que nossa vida fica empacada e tudo que já vivemos um dia, se repete novamente até que trazemos a nossa consciência e mudamos. (minha percepção).

Claro que podemos se refazer no exterior, das coisas externas, por fora aparentar estar ótima, mas a melhor mudança, a libertação de amarras antigas, sempre começa de dentro para fora.

Posso dizer e afirmar, a minha melhor versão é hoje, porque a paz sempre começa de dentro para fora, e nunca o contrário. Cure o passado e reescreva o futuro.

Esse assunto é muito interessante e importante, e amanhã trarei a continuação de como foi a minha caminhada nessa transformação de dentro para fora, como foi toda essa dinâmica na minha vida...

Projeto Na Casa da Vizinha, das amigas Cris Philene e Tê Nolasco. Tema inspirado pela Psicóloga Silvia Barbosa. Participe com a gente no projeto, basta publicar seu texto e comunicar a criadoras.

Até a próxima.
Beijos,
Ju.

7 comentários:

  1. Oi Ju, bom dia querida!
    Sim, podemos ter momentos tristes no passado, como momentos maravilhosos e sublimes... Todos eles trazem aprendizados, erros, mudanças...
    E sem querer a gente acaba fazendo diferente, se reformando, reconduzindo a caminhos que hoje escolhemos como Nossos, como pessoais, com uma maternidade diferente em muitos aspectos e igual em outros...

    Claro Ju, seguir em frente, firme e confiante, sem se prender ao passado as vezes doloroso, é ter sabedoria, não se prender a ele como vítima dele, como vc mesma disse... e prosseguir e construir nossa jornada de amor materno..

    Muito obrigada por essa doce participação, mais uma vez!
    É uma alegria tê-la também conosco!

    Seu link ja está la!

    Beijos e até a próxima!

    Tê e Maria ♥

    ResponderExcluir
  2. Oi,Ju! Sempre é tempo de trilhar, amadurecer e aprender e trazemos conosco experiências que vivemos. Saber fazer diferente é o nosso passo, se não concordarmos dom elas. mas, por vezes, nos pegamos caindo nelas,mrs... Lindo dia! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Oi Ju!!!

    Seu texto testemunho de muitas resoluções valorosas, bem fundamentadas, intensas e produtivas.

    Uma das que eu destaco é sobre o perdão. Sem perdoar os que nos ferem nunca nos apropriaremos do amor e da paz.

    E uma vez ouvi um preletor dizer que "perdão" são perdas grandes. Achei o máximo pensar assim no perdão! E ele explicou: perda de todos os obstáculos que nos impedem de amar como Cristo amou.

    Enfim, o perdão é uma escolha que fazemos para contornar e vencer os obstáculos. Não significa, compreendo eu, conviver com pessoas abusivas. Mas perdoar, seja quem for, é uma conduta libertadora.

    Gostei muitíssimo da sua postagem!

    Beijo!!!

    Re e Laura

    ResponderExcluir
  4. Amiga que texto maravilhoso... lendo me vi tanto em suas palavras, neste resgate do que se passou e a descoberta do novo eu que surge em meio a essa construção.
    Nem de perto revirar o baú da lembranças é fácil, é mexer em muita coisa, é trazer à tona situações que já tinha sido "superadas" mas, se faz necessário para que o nosso novo eu surja.
    Somos as escolhas que fazemos e esse fazer e refazer é diário e constante.
    Amei de ler, bjs, Cris

    ResponderExcluir
  5. Lindo texto, todas nós nos redescobrimos com a maternidade, damos o melhor de nós aos nosso filhos , tentamos fazer com que a vida deles seja sempre melhor e mais alegre do que as nossas foram .
    Vim conhecer seu blog , estamos te seguindo. Ontem meu blog fez aniversario de 10 anos, passe lá para nos visitar, bjs boa semana!
    https://patriciacharleaux.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Um bom domingo de uma feliz semana Juliana!
    Aqui hoje um texto de pura reflexão onde cada detalhe nos leva a pensar e rever momentos e pensamentos e ações. fazer esta volta é sempre complexa e precisa de ousadia, para reaver e depurar tudo que se viveu e aprendeu e que levamos para nossa travessia. Priorizar as coisas boas e grandes e das mazelas usar como aprendizado.Assim que vamos no processo de educação dos nossos, pois é certo que muito temos daqueles, que nos trouxeram e educaram e despejaram um caminhão de amor em nós. Assim nos pegarmos com ações deles é simplesmente uma forma de agradece-los.
    Muito bom depoimento Juliana nesta bela série da Tê e Cris que faço questão sempre de ler a todas.
    Meu abraço e tudo de bom para vocês.

    ResponderExcluir
  7. Oi Ju!
    Quando a gente consegue encontrar aprendizado em algum sofrimento pelo qual passamos, isso é transformador.

    Sabe, eu gosto muito das blogagens coletivas pela interação que elas proporcionam. E eu tive a oportunidade de ler um comentário teu por aí, falando sobre o caminho inverso que você fez. Que lindo, fui tocada por aquilo! Olhar para os desconfortos que trazemos não é fácil, mas é o caminho. E ainda perdoar e oferecer o que não se teve, é de uma grandeza imensa, é o verdadeiro sentido do amor.

    Linda a tua participação e já vou ler a continuação!
    Beijo

    ResponderExcluir