Sem Pokémon Go – A brincadeira é usar apenas a imaginação.

Achar Pokémon é uma brincadeira que virou febre, e não é por menos... Uma tecnologia que atualmente é de tirar o chapéu, e tem conquistado desde crianças até os mais velhos.

Não sou a melhor pessoa para descrever sobre o jogo, porque não baixei o aplicativo, mas tenho visto pessoas descrevendo suas experiências, e as reportagens em sites e na televisão (quando não estou assistindo desenhos)...rs

Parece realmente incrível e contagia todo mundo.

Tenho curiosidade sim, mas prefiro acompanhar o passo lento, da infância livre da tecnologia maçante, e praticar o simples brincar, imaginar e criar as brincadeiras.

Não sou contra a tecnologia, muito menos contra o jogo...
Como eu estou evitando ao máximo celular nas mãos, tanto minha quanto na dele (muito menos ainda na dele), a vontade de jogar o Pokémon GO não existiu para o Vitor...

Se eu jogasse, com certeza meu filho iria desejar jogar... E como prefiro as brincadeiras tradicionais, decidi não ir atrás, e manter as coisas como estão...

Vamos brincar, somente com a imaginação?


Tudo começou assim...
O sábado amanheceu quente e ensolarado, então almoçamos (Vitor 6 anos e mamãe Jú) e partimos para a garagem, começar nossa brincadeira.
A bicicleta foi usada como moto... Um veículo para acelerar nossa caminhada e caçada aos inimigos...
Corremos, nos escondemos, atiramos com nossas armas de Nerf e usamos facas e espadas para auxiliar nossa batalha...

Usamos poucos artifícios e MUITA imaginação...rs

Matamos homens maus, zumbis, monstros... O portão da garagem ficou conhecido como #portal.
Portal é nome que damos a passagem para outro mundo, acesso ao desconhecido...

Passamos pelo #portal e seguimos nossos instintos, rumo ao mercado mais próximo de casa (um pouco de realidade com ficção)...rs
Pelo caminho criamos muitos obstáculos, como:

- Os postes de luz eram guardiões do mal, sempre atirávamos...
- Havia matos que precisávamos cortar com a faca de plástico (óbvio)...
- Também encontramos durante o caminho lama e areia movediça...
- As faixas amarelas na rua indicavam as lavas, muito cuidado nessa hora...

Atiramos, nos escondemos, pulamos, escalamos (tudo na brincadeira)... Ufa, não foi fácil, mas conseguimos.
Nossa caçada terminou ao chegar ao mercado.

O livre brincar, criar e explorar a imaginação... Que mais fascinante tem na infância, do que isso?

Lembro que brincava e criava muitas histórias, e usávamos (eu e amigas) a imaginação... Brincava de escolinha, de ser rica e ficar só na beira da piscina, de ser cowboy, enfim, como era boa essa fase de ser, criar, brincar e imaginar quem eu desejasse...

Também já fui: Xuxa, Paquita, She-Ra e adorava ser a policial Katy Mahoney.

Velhos e bons tempos, sendo revividos agora com meu filho, em seu atual mundo dos personagens do século XXI.

A tecnologia por si só, já é fascinante e tem o poder de prender a todos...
Não tem como fugir ou se isolar (e também não quero), faz parte da vida de todos...

Apenas desejo não acelerar ou antecipar, porque em breve a tecnologia vai ocupar o seu lugar, na vida do meu filho... Apenas desejo que a criança seja criança e desfrute ao máximo dessa fase, que também muito em breve, vai passar...
Vamos sair pelas ruas para correr, andar de bicicleta, caçar monstros, imaginar histórias... E deixar a magia da infância ficar... Sem pressa de nos deixar...

4 comentários:

  1. Oi Jú,
    Bacana como vc descreveu a brincadeira, até imaginei por aqui rsrs
    Também tento reviver alguns momentos de minha infância por aqui, mas com o atual cenário. Nem tudo é possível pq a era é outra, né?! Por exemplo, eu adorava brincar de sorteio, jogando os papéis pro alto e convidar os sorteados para buscarem o "prêmio" rsrsrs. Hoje em dia, a maioria dos sorteios é virtual. Mas é isso, a gente vai adaptando conforme a nova geração, né?! rs
    Beijos,
    Larissa Andrade.

    http://maternidadeecotidiano.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Ju e Vitinho, bom dia!
    Ju, que narração bacana. Você é uma mãezona que sabe brincar.
    Olha amiga. Aqui também não tem Pokemon. Você sabe que limitamos também a tecnologia. Maria brinca os fins de semana por uma hora cada dia. E abro exceções em feriados e outras oportunidades.

    Mas o Pokemon tem trazido coisas ruins também. Falta de atenção nas ruas , distração com ladrões, e até mesmo pelo que ja falaram, mortes por distração. Por enquanto não entrou aqui e acho que vou mesmo deixar a moda passar... Se tivesse instalado para Maria com toda certeza não seria essa febre. Seria perto da gente em campo aberto. Mas prefiro não me envolver nisso por enquanto.

    Maria gosta de um joguinho no celular ou computador e podemos acompanhar isso.

    No mais o não excesso da tecnologia aqui faz Maria (creio eu) brincar de outras coisas e ler muito. Prefiro assim.

    Quanto as brincadeiras amiga, minha infancia foi rica demais. Era rua rua e rua.. Casa de amigos e primos.
    Uma brincadeira que amava praticar com minhas primas era Dublagem. Colocava uma música preferida e fingia estar cantando. Tinha classificação... Era o máximo e brincamos demais disso...

    Um beijo doce e uma linda sexta-feira com #1000motivosdegratidao ;)

    Tê e Maria ♥

    ResponderExcluir
  3. Oi Ju e Vitinho!

    Por aqui também não aderimos à moda.

    Vamos melhor com a imaginação, a criatividade, a natureza, as artes, a leitura e tudo o mais natural possível.

    A tecnologia é útil e necessária. Mas, também atrapalha. Por isso a deixamos por última alternativa!

    Beijos carinhosos e feliz brincadeiras de muita imaginação neste fim de semana!!!

    ResponderExcluir
  4. Ju, me vi na brincadeira com vcs... Ah que delícia imaginar!! Criar e se divertir.
    Aqui tb nada de pokemon...
    O contato com a tecnologia nos serve para filmes e músicas o que é diário em nossa casa.
    E meu pequeno, usa e abusa de inventar!
    Coisa boa, nos jogarmos e brincarmos juntinho com eles, isso que fica no fim das contas na caixinha das lembranças... e eles logo crescem.
    bjs

    ResponderExcluir