Que tal enaltecer "as boas atitudes" dos nossos filhos?

A inspiração de criar esse tema, veio do encontro que participei da revista Pais & Filhos no começo de setembro, com outras mães que enviaram seus depoimentos sobre o tema “Não faça como eu faço”, do "Culpa, Não".
Onde recebi esse feedback durante o bate-papo, da escritora, pedagoga e psicóloga Betty Monteiro, “que é enaltecer as atitudes boas dos nossos filhos”, em outras palavras, elogiar mais e criticar menos.

Quando se fala ou pensa na palavra “enaltecer”, logo vem o sinônimo de coisas grandes e boas.
Sim, a intenção aqui é justamente essa, enaltecer atitudes boas, positivas dos nossos filhos (as).
Mas geralmente usamos essa palavra enaltecer, de elevar ou deixar algo grande, das atitudes negativas ou desagradáveis de nossos filhos.
São “maus costumes”, que fazemos muitas das vezes “sem perceber”, porque é muito mais fácil criticar, do que elogiar.

Temos mania de rotular as crianças de chatas, choronas, mole, desastradas, preguiçosas, entre outras palavras pejorativas, e isso é péssimo, pois estamos criando um perfil daquela criança e estamos dia a dia dizendo que elas são assim.
E de tanto ouvir isso, as crianças acabam acatando “como sendo verdadeiras”, sendo que não é.
Pois se não tivermos palavras boas e construtivas para dizer aos nossos filhos, o melhor é ficar calada (o).
Enaltecer mais, os hábitos e atitudes positivas e criticar ou rotular menos, os comportamentos ruins ou péssimos.
Não é fácil, mas precisamos praticar.

Criança é esperta e inteligente, só precisamos descobrir o jeito certo, na particularidade de nossos lares, como trabalhar isso.

E partindo desse princípio importante, que a Betty Monteiro “cordialmente” nos orientou, de elevar as atitudes boas de nossos filhos, elogiar e se oportuno, até presentear, que tenho feito assim aqui em casa:

Dividido em 3 etapas.
- Orientar, explicar e conversar;
- Elogiar, sempre que oportuno, ou seja, enaltecer as atitudes positivas;
- Criei uma brincadeira de presentear com medalhas, quando oportuno.

Primeira etapa:

Procuro sempre conversar e explicar tudo para meu filho, pois só assim poderei elogiar ou lembrá-lo dos avisos dados anteriormente.
Geralmente, os momentos mais conflitantes, são os ocorridos fora de casa, então faço assim:

Eu tenho usado uma técnica de combinar com meu filho, tudo que vamos fazer antes de sair de casa, assim:

Comento e descrevo como será o passeio, atividade, etc;
Falo e explico todas as atitudes ruins que ele não deve fazer, e o porquê não deve fazer;
Comento que caso ele não obedeça, eu ficarei chateada e que depois não vamos mais querer sair com ele, devido aquele episódio de desobediência;
Explico tudo o que ele poderá fazer ou terá para fazer no determinado lugar;
E sempre ressalto que na hora que dissermos, “vamos embora”, não é para ele chorar, pois tão em breve voltaremos lá de novo, se ele comportar-se e obedecer quando disser que não é para fazer tal coisa...

Tem dado muito certo, mas no começo foi difícil e já passei por momentos de muito constrangimento.

Segunda etapa:

Após conversar e combinar certos comportamentos, e o resultado aparecer, meu dever é elogiar. Conforme o tema proposto, que é enaltecer, elogiar, as boas atitudes e/ou comportamentos de nossos filhos (as).
E sabe de uma coisa?
O resultado tem sido positivo.

Não é chantagem, não é faça isso que ganhará aquilo, nada disso.
É uma conversa franca, onde explico que fico chateada com certas atitudes.
E o presentear no momento, se oportuno, não é comprar a criança, é mostrar que certas atitudes positivas, trazem bons frutos, se é que você está me entendendo...

Acredito que se a gente usar o tempo para enaltecer mais as atitudes boas do que ruins, teremos bons frutos. 

Terceira etapa: 

E foi pensando em tudo isso comentado anteriormente, que elaborei uma forma lúdica de viver, pensar e ensinar nossos filhos, de como é bom e vale à pena, fazer as coisas corretas e ser obediente.

Que foi criação de medalhas.

Meu filho, por ser muito novo, ainda não possui medalhas, troféus, nada disso.
Mas ele vê que pessoas ganham tudo isso, fazendo seu melhor, para ser o campeão, ser bom ou o melhor em algum esporte, etc.

Então criei algumas medalhas aqui em casa, e o resultado?
Meu filho amou, ficou super feliz e empolgado.

Medalhas que criei:

C de coragem: Meu filho, desde bebê, nunca conseguiu tomar remédio. Todo remédio dado via oral, ele vomitava instantaneamente. Resultado: Se a criança não toma o remédio via oral, obrigatoriamente será injeção. Mas meu filho já tem 3 anos de idade, ele entende que injeção dói, então foi corajoso, forte e tomou os remédios receitados pelo pediatra. Mas infelizmente, vomitou antes do prazo, que o remédio começasse a fazer efeito e ai teve que tomar as injeções. Mas só o fato de ele ter sido corajoso e tomado os remédios, me deixou comovida e cheia de orgulho, daquela atitude forte dele.
Por isso fiz a medalha, pois achei aquela atitude de muita coragem. Só eu, como mãe, sei como foi um sacrifício, ele tomar remédio, pois o cheiro embrulha o estomago dele.
Essa atitude mereceu uma medalha de “C” de coragem.

V de Valente: Criei uma medalha, que na frente tem a letra “V” de valente, pois como ele está grande e já sabe fazer escolhas, sabe o que pode ser bom ou ruim. No caso dele, precisou tomar as injeções receitadas pelo pediatra, para ficar bom daquela infecção de garganta, e encarou a dor e tomou as injeções.
Como a tentativa de tomar os remédios, não teve sucesso, devido o vomito ser antes de fazer o efeito do remédio, foi necessário partir para as injeções.
Garoto valente, como não criar uma medalha para atitudes tão forte?

Bola de futebol: Como ele gosta de jogar futebol, fizemos (eu e ele) uma medalha de campeão de futebol. Só como distração e diversão, mas a brincadeira fica mais divertida.

Estrelinha: Fiz uma medalha com uma estrela, e toda vez que ele tem uma atitude correta, de obediência, de merecimento, eu coloco no pescoço dele e explico o porquê daquela estrela brilhante estar ali, naquele momento.

Você não precisa de medalhas para elogiar seu filho, nem de motivos tão grandiosos, mas de motivos merecidos.
Por exemplo: quando come tudo a refeição; quando vai tomar banho na hora que foi mandada, sem reclamar; quando não chora no shopping na hora de ir embora; quando faz as tarefas da escola sem stress, etc.

Se você quiser entrar na brincadeira também, seguem algumas sugestões de medalhas:
- Crie uma medalha com o símbolo do esporte preferido da criança, que pode ser: bale, futebol, natação, vôlei, judô, etc. E que referencia a criança ser bom no determinado esporte.
- Uma medalha que represente uma atitude ou um bom comportamento, que seja um mérito de honra da criança.

Não é banalizar e para tudo elogiar ou dar medalhas, tem que merecer, tem que ressaltar o motivo da medalha, do elogio, da atitude positiva da criança.

É tornar a vida mais leve para ambos, pais e filhos.

É parecerem pais: menos carrascos e mais amorosos, e mais compreensivos e atentos aos filhos.

Meu filho curtiu a ideia, principalmente de criar as medalhas e depois recebê-las. 

Vejam algumas fotos no final.

Essas medalhas, eu que fiz aqui em casa, com objetos fáceis de achar ou ter em casa, como tampas plásticas, papel, papelão, etc.
Futuramente pretendo criar um canal aqui no blog ou lá Facebook, de criação de brinquedos, com reutilização de materiais como caixas, papelão, plásticos, para fazer em casa com a criançada, professores com os alunos, pais ou babás e crianças, etc.

É isso ai, espero que tenham gostado das dicas de “como e quando elogiar nossos filhos”, e da brincadeira da medalha, como um incentivo as boas atitudes de comportamento, etc.

Criar filhos não é uma tarefa fácil, por isso estou aqui, com a missão de compartilhar ideias e dicas que possam auxiliar pais e filhos.

E se você gostou, fez ai na sua casa, ou tem alguma história interessante que fez e deu certo ai na sua casa com a criançada, e quer compartilhar aqui no blog, então envie para: mae.semfronteiras@gmail.com, que terei o maior prazer em compartilhar com as mamães.

Até a próxima dica, história...(e não esqueçam de ver as fotos logo abaixo).

Abraços,

Mãe Sem Fronteiras.


Meu campeão:


Medalha C de coragem:

Medalha V de Valente:


Medalha Campeão de futebol:

Nenhum comentário